António Carneiro Jacinto
Domingo, 15 de Abril de 2007
A PROPÓSITO DE SONDAGENS, CULTURA E AS HISTÓRIAS DO REGIME

Andei ontem num virote para conseguir falar com os directores do Expresso e do Sol e dar-lhes conta da existência de “uma sondagem que revela a derrota humilhante do PS e de Sócrates”. A notícia estava publicada em primeira mão no jornal do Regime de Silves e deixou o Henrique Monteiro e o José António Saraiva numa roda viva para obterem tão importante sondagem. Acabaram por se zangar comigo porque, consultados os partidos políticos, e em particular o PSD, e as agências de sondagens, ninguém sabia de nada. Mas eu tenho a certeza que o ideólogo do Regime silvense seria incapaz de inventar uma sondagem. Brincando, brincando, mas …há brincadeiras de muito mau gosto.

Falei-vos há uma semana da realidade cultural do concelho. Realidade que conheço muito bem há muitos anos. Sei que não tenho sítio para ir ao cinema, sei que não posso ir ver uma peça de teatro, sei que não posso ouvir um concerto de música clássica ou outra, não foi agora que descobri esta situação.

O debate, infelizmente foi muito desinteressante como bem sublinhou Joaquim Santos. Mas este blogue continua actual e constitui uma peça importante na máquina da minha candidatura. Só gostava que continuasse a ser um espaço de diálogo sério, evitando-se bocas e outros tratamentos de muito mau gosto e se aproveitasse cada vez mais este espaço para reflectirmos sobre a actual realidade do concelho de Silves. Acolho sempre com todo o interesse as sugestões que me são feitas e os alertas que me são dirigidos. Como muito bem sabem já ando no terreno há três semanas e a minha actividade não se limita a escrever uma vez por semana, um Post. Retenho dois comentários. Um de José Meireles onde se escreve que “Isabel Soares tem vindo a deixar a população de Silves em supra-numerários, dado que toda a gente tem telhados de vidro”. Pois é, todos seremos poucos para combater os “Medos” dos supra-numerários.

Joaquim Santos quer, legitimamente, saber quem são os meus apoiantes e os meus conselheiros. Respondo-lhe da seguinte forma: estou pronto para apresentar publicamente uma equipa assim que as eleições sejam marcadas e tenho a ajudar-me gente de diversos quadrantes políticos.

Entretanto, recebi um pertinente comentário do Silvense Atento que, aqui publicito, pois tem vasta matéria para reflexão:

 

Um mês antes de ganhar as eleições em 1997, alguém escreveu por Isabel Soares , que …depois assinou:

 

“É necessário mudar.

“Temos de fazer da Câmara Municipal de Silves uma Câmara moderna, capaz de dar resposta a todos os desafios do III Milénio. Para isso, já definimos um conjunto de objectivos e estratégias de forma a maximizar todo um potencial existente no nosso Concelho, quer a nível de recursos físicos e naturais, quer a nível de recursos humanos”.

 

Estas palavras foram escritas há 10 anos e, a mesmíssima Isabel Soares – sim, porque não pensem que houve alguma evolução positiva -, somente passada uma década, reconheceu (?!!!) que esteve a gerir a Câmara, como a mercearia de seu avô e… que era altura de aprender a gerir uma câmara. Vai daí, debanda a caminho de Viseu, acompanhada do seu séquito, a que levianamente apelidou de técnicos, para que num dia, o seu amigo Ruas lhes mostrasse, como é isso de gerir uma Câmara e os dinheiros públicos.

“UNS” regressaram de Viseu deslumbrados e “OUTROS” …envergonhados com o que viram. A eficiência, os métodos, a facilidade, a simplificação de processos, a capacidade de resposta informática e pessoal, o nível de conhecimentos das chefias e dos funcionários em geral e a sua afabilidade e, a tranquilidade e serenidade com que desempenhavam as sua tarefas. Este contraste com a realidade Silvense, como acabei de dizer, deixou “alguns” envergonhados e, não é caso para menos. Todavia, as razões para tal são bem conhecidas e não são fruto do acaso, traduzem e estão em consonância com as intenções e o “nível” da presidente, ou seja: com Isabel Soares não há equipa; começando pelos vereadores (não foi por acaso que Luís Garrocho, Hélder Patrão e Sousa Ribeiro e até de certa forma José Paulo Sousa, desapareceram de cena), as pessoas que a rodeiam não podem fazer-lhe sombra, quanto mais esboçarem um simples “não pode ser Sra. Presidente”. A subserviência tem que ser total.

 

 Na Câmara Municipal de Silves, a partir de 1997, ninguém nomeou e nomeia ninguém por razões de mérito. A competência profissional tem sido inútil. Diria mesmo que é coisa em desuso. A relação entre o monge e o hábito desapareceu. Tanto deu e dá nomear generalistas para tratar de especialidades como lunáticos para gerir realidades. A própria ideia de currículo deu e dá lugar ao mero jogo dos contratos de adesão política. O pior, no entanto, foram e são os resultados. A Câmara desbaratou e desbarata dinheiro? Ninguém é responsável politicamente. A Câmara tomou e toma decisões erradas? Ninguém responde politicamente por elas. As empresas, os munícipes, os trabalhadores, os interesses e os sectores ficam prejudicados? É indiferente. Isabel Soares diz que a culpa é dos nomeados, os nomeados dizem que a culpa é de Isabel Soares. Este sistema de escolha irresponsável costuma terminar em discussões turbulentas e sacrifícios maiores (o que tem acontecido desde Julho passado é a maior prova de tudo isto). Ninguém procurará a sede das incompetências pela simples razão de que a competência não contou como critério de decisão.

 

Em 1997, foram criadas grandes expectativas em redor da candidatura de Isabel Soares e dos Vereadores que a acompanhavam. Algumas medidas que inicialmente tomaram, tais como o “emprateleiramento” de  alguns Chefes de sectores chave e certas mudanças na funcionalidade da máquina camarária, pareciam indiciar que, havia de facto, uma intenção de mudança. Bem cedo se desiludiram os que acreditaram que algo ia mudar. Obviamente, como em qualquer mandato, haviam “alvos a abater” e, se inicialmente alguns foram “encostados”, reapareceram, ainda com maior poder e usufruindo de mais benesses. As razões que levaram a isso, só ELES (?!!!) saberão. Outros, foram substituídos, dando lugar às situações exemplificadas anteriormente.

Portanto, não fora a constatação das evidências atrás explicadas, muita gente poderia ainda acreditar que a viagem a Viseu resultava da preocupação que Isabel Soares tem com os resultados desastrosos alcançados com a sua forma de gestão artesanal e, muito particularmente, com a qualidade das Chefias por si escolhidas meticulosamente.

Só que, as nomeações “exclusivamente políticas” que agora está a fazer (não há concursos) e mais algumas que estão na forja, para os mais altos cargos de Chefia da autarquia, longe de garantirem uma ainda que pequena melhoria nos serviços, denunciam a sua firme determinação de atirar bem para as profundezas os anseios dos silvenses em verem a sua Câmara à altura de enfrentar os desafios do III Milénio.

 

 



publicado por António Carneiro Jacinto às 12:21
link do post | favorito
|

De José Meireles a 15 de Abril de 2007 às 21:01
A propaganda do jornal do Regime, sempre foi perito em divulgar matérias explosivas, mas sempre de forma a levar o munícipe a pensar a favor do regime.
Já era assim no tempo de Salazar, a propaganda fascista, e parece que os métodos que se apresentam propagandeados no jornal são do mesmo tipo.
Já é tempo de alguém, com possibilidades, em união fazer frente e desvendar o mistério das sondagens publicitadas pelo jornal. É que em vésperas de eleições, o mesmo jornal já divulgava os resultados dando larga maioria ao PSD, em pura especulação, levando ao desânimo daqueles que queriam votar noutras forças políticas e acabaram não votando com o pensamento de que não valia a pena, potrque IS já tinha ganho.
Essa da comitiva ir a Viseu, foi muito comentado na altura. Apesar das instruções recebidas, a forma de gerir o concelho não passou de mais um recado de merceeiros. Nada mudou, ninguém percebeu nada ou não quiseram mudar, com medo de lhes fugir o poder. Porque só se muda quando há distribuição de poderes. Só se muda quando se quer mudar.
Parece que ainda não perceberam que a boa gestão é feita por alguém que saiba gerir e que o bom trabalho é feito por alguém que o saiba fazer.

Sobre as nomeações para os lugares de chefia, já é vulgar e não é só em Silves. A nomeação sem mérito e o profissionalismo inútil não é novo, no entanto bem podiam ter criado um quadro que em vez de estar na prateleira fizesse algo de útil pelo concelho, nomeadamente calcetar o passeio da avenida, dando um aspecto mais ao sabor do cidadão. Mas trabalhar faz calos e os doutores não querem isso.
Aproveito a oportunidade para louvar o dissidente do PSD que ousa relatar tais assuntos no blog para que toda a gente conheça os factos em pormenor.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

NOVO BLOGUE

COMPROMISSO DE HONRA

SOBRE AS FEIRAS MEDIEVAIS...

MAIS UMA HISTÓRIA INTERMI...

TRÊS REFLEXÕES EM TEMPO D...

SÃO MARCOS DA SERRA - UM ...

UMA ENORME TRISTEZA ...II

UMA ENORME TRISTEZA ...

DE COMO SE "PERDEM" MILHÕ...

O QUE É PRECISO PARA GANH...

arquivos

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

links
VISITANTES
Relógio
Fazer olhinhos
blogs SAPO