António Carneiro Jacinto
Domingo, 22 de Julho de 2007
TRÊS REFLEXÕES EM TEMPO DE FÉRIAS

Faz hoje um ano que o “Diário de Notícias” publicou a primeira notícia sobre o chamado caso Viga D’Ouro e em que afirmei a minha disponibilidade para vir a ser candidato à presidência da Câmara Municipal de Silves.

Não é este o momento, nem para fazer um balanço deste ano, nem para voltar a um problema que tem marcado, de uma forma muito clara, a actuação do executivo camarário desde então.

Estamos todos, de uma forma ou de outra, em tempo de férias, e a hora é de Isabel Soares fazer aquilo de que mais gosta: bailaricos, festas populares, festivais e que tais. Demos portanto a iniciativa para que ela exercite os seus dotes de dançarina e de rainha das festas populares.

Mas gostava – ao desejar-vos umas boas férias – deixar claro dois pontos: a minha candidatura não só está a funcionar como a minha determinação é maior do que nunca; e desiludam-se portanto todos aqueles que pensem que o facto do Blogue ter entrado em velocidade cruzeiro significa menos empenho da minha parte. Aproveito aliás para dizer que, no final das férias o blogue não só terá uma nova configuração, como eu próprio terei uma abordagem completamente diferente da seguida até aqui.

Deixem-me agradecer a todos aqueles que me têm acompanhado neste combate e muito particularmente aos anónimos sem acesso à internet, me têm manifestado o seu apoio.

Queria deixar-vos, por agora, com três notas que me parecem importantes:

1.     Vale de Fuzeiros – recebi ontem da Administração da REN, a proposta enviada ao Ministério do Ambiente e que contempla a alteração negociada do traçado inicialmente proposto. A Agência Portuguesa do Ambiente vai enviar este projecto à Câmara Municipal de Silves, às Juntas de Freguesia de Silves e de Messines e à Comissão de Moradores de Vale de Fuzeiros, para a obrigatória consulta pública que se iniciará em 16 de Agosto;

2.     Falámos de festas e quero deixar bem claro a esse propósito que a festa faz parte da vida. Mas a festa não pode constituir em si mesma a única actividade visível de uma Câmara Municipal. Muito menos quando sabemos, mesmo os que assobiam p’ró ar e que estão distraídos, que a situação financeira actual é no mínimo, calamitosa. Isto para vos dizer que considero irresponsável que o dinheiro do contribuinte silvense seja gasto “para dar música ao pessoal”. Que fique claro: perante a situação financeira da Câmara Municipal de Silves se eu já fosse Presidente, este ano não havia música para ninguém. Espero aliás que os cidadãos do concelho comecem a tomar consciência desta situação, por que é o seu dinheiro que está em causa.

3.     Finalmente queria dar-vos conhecimento de um e-mail que, amavelmente, me foi enviado por uma arquitecta, dando conta da forma como a Câmara Municipal trata os cidadãos, incluindo técnicos de elevada carreira.

 

     Aqui fica:

 

 

Para:

Presidente Câmara Municipal Silves

De:

João Ferreira, Arq.

Fax:

+351 282 44 26 50 (CM-Silves)

Págs.:

01 (uma)

Telefone:

+351

Data:

18/07/07

Assunto:

Recusa do Livro de Reclamações.

Cc:

Ordem dos Arquitectos

ASAE

GNR (SILVES)

DECO

  

Urgente

Apreciar P. F.   

Comentar P.F.  

Responder P.F. 

Fazer Circular P.F.

·        Mensagem

Exma. Srª. Presidente da Câmara Municipal de Silves

 

Pelo presente, venho por este meio comunicar que me foi barrado a consulta de um processo na Câmara Municipal de Silves, da seguinte forma:

Ao dirigir-me à Divisão de Gestão Urbanística pedi para consultar um processo, no qual me questionaram se era proprietário, técnico do projecto ou advogado. Comuniquei à funcionária da Câmara que sou arquitecto mas não de projecto algum referente a esse processo, e que o meu interesse é simplesmente consultar e não requerer qualquer cópia, no intuito simples de saber se existe viabilidade ou projectos para aquele terreno, ou obter veracidade da informação. Visto estar interessado em desenvolver projectos para um cliente meu proponente comprador do mesmo terreno. Face ao exposto a mesma funcionária assumiu prontamente que neste caso, poderia consultar.

Após alguns minutos voltou a dizer que se estivesse naquele departamento podia-mo facultar, mas constatou que o processo se encontrava com a Arq. Helena Lamy.

Prontamente dirigi me ao Departamento de Arquitectura afim de contactar a colega Arquitecta Helena Lamy para efectuar a simples questão atrás referida, disseram-me para esperar, após 30 minutos as administrativas do Departamento de Arquitectura disseram-me que a Arquitecta não me atendia que marca-se reunião na divisão de gestão urbanista.

Voltei à referida divisão para marcar uma reunião conforme me indicaram, logo me disseram que só seria possível efectuar essa pergunta à Arq. Helena Lamy dois meses depois, reunião possível dia 20 de Setembro de 2007. Ou seja nem consulta, nem resposta sobre qualquer situação sobre aquele processo.

Sendo minha intenção prenunciar me sobre o descontentamento do barramento da informação camarária originada pela Arq. Helena Lamy, exigi o livro de reclamações, o qual me foi impedido por todos os serviços da câmara, alegando que não o tinham.

Contactei a GNR local que prontamente se deslocou à câmara municipal através de uma patrulha composta por dois agentes da GNR, em que os mesmos foram direccionados para diversos serviços numa forma de tentar fugir à responsabilidade tentando fazer dos agentes “…uma bola de ping pong…”. Os quais tomando uma postura profissional interromperam aquele “…vaivém…” e começaram a identificar os funcionários, serviços e as respostas dos mesmos, ou seja constatou-se a inexistência de livro de reclamações pela Autoridade. Efectuou-se um Auto pela parte da GNR de Silves dirigido à ASAE, pela 12h00 do dia 17 de Julho de 2007.

A GNR comunicou-me que deveria ser contactado pela ASAE à posteriori.

 

 

Atenciosamente,

 

 

João de Carvalho Ferreira, Mest. Arq.

 

 Entretanto a C.M.S. encomendou à pressa um livro de reclamações à cobrança

 

 

A propósito de 21 de Julho não sei o que é que se passa com o Silvense Atento que ainda não nos contou o que tinha prometido…



publicado por António Carneiro Jacinto às 01:06
link do post | comentar | favorito
|

60 comentários:
De Anónimo a 22 de Julho de 2007 às 10:19
A mensagem enviada à Senhora Presidente, pela prática conhecida, não irá ter qualquer resposta da sua parte.
Na hipótese, remota, de uma resposta, não será para pedir desculpas, mas, simplesmente , para anunciar o seu descohecimento pela falta do livro de reclamações e ao mesmo tempo anunciar que irá ser feito um inquérito para atribuição de responsabilidades, doa a quem doer.
O caso referido é apenas um pequeno apontamento num oceano de atropelos e desrespeito pelos Munícipes.
Como já foi dito, seria muito esclarecedor um levantamento global do que tem vindo a ocorrer nos últimos anos em termos de procedimentos administrativos.
Muita surpresa (para alguns) viria ao de cima.

Uma das vítimas.


De Se eu fosse presidente a 22 de Julho de 2007 às 11:42
Deixo uma sugestão:
Porque não a encomenda de vários livros de reclamações, temo que a câmara acabe por, em mais uma atitude despesista, ter de encomendar outro livro logo que disponibilize este aos "seus/os outros" munícipes.


De Anónimo a 22 de Julho de 2007 às 13:03
O comentador anterior deixa uma Sugestão.
Por falar em sugestões. Então e aquela caixinha que está no átrio de entrada da Câmara e que diz SUGESTÕES?. Sabia que qualquer funcionário ou simples munícipe, seja ele doido ou não, pode ler o que está lá escrito?.
Será que alguém do executivo alguma vez se deu à maçada de saber o que as pessoas lá escreveram?.


De Anónimo a 23 de Julho de 2007 às 09:39
A caixinha só lá está para enfeitar ... Só para dar ares de democracia ...


De Anónimo a 22 de Julho de 2007 às 13:35
Que me desculpe senhor Silvense Atento, mas tenho que lhe dizer o seguinte: anunciou o senhor que no dia 21 de Julho iria revelar mais algumas coisas interessantes sobre o caso chamado Viga D’Ouro e outros. Afinal, a montanha pariu uma ratazana. Estivemos à espera e nada.
Provavelmente ou foi só encenação ou então houve alguém que lhe disse mais ou menos o seguinte:
Não acha que já é tempo de acabar com essas histórias?
Ainda não percebeu que não consegue convencer ninguém e que anda a fazer figura de D.Quixote?
Não foram já feitos os inquéritos correspondentes e encontrados os respectivos culpados?
Não sabe que a Polícia Judiciária fez a sua investigação e que nada encontrou, concluindo pelo arquivamento do processo?
Acha que o Dr. Mendes Bota e os outros membros da Comissão Distrital do PSD e mesmo o Dr. Marques Mendes, são todos uns burros e que apoiariam incondicionalmente a Dra. Isabel Soares, caso tivessem alguma dúvida da sua inocência em todo este processo e nos outros que o senhor e mais alguns seus iguais querem fazer crer às pessoas que a senhora Presidente está envolvida?
O que quer o senhor afinal? Levar António Carneiro Jacinto “ao altar”, com as suas anedóticas “prosas”?
Pois podem aguardar sentados, você …e o António Carneiro Jacinto.
Passem ambos bem.




De fernando santos a 22 de Julho de 2007 às 22:33
ehehehehehehehehe

( esta é a maior anedota que eu já li em termos de blogs e não só )

( ainda há algum palerma que acredite no gajo do capachinho, no Meia Leca e na Belinha Bota a Baixo? )

( tenha dó!!!!! )


De Anónimo a 23 de Julho de 2007 às 09:38
Eu não sei se são burros ou não esses senhores da Distrital e Nacional ... Também não acredito que sejam. Mas ... há muitos mas ... e o Sr que parece estar tão bem informado sabe muito bem que existem ...
E em política o apoio nunca é incondicional, não é?
O Sr sabe que eu sei que você sabe que ela sabe ....


De fernando santos a 26 de Julho de 2007 às 23:26
Eu sei que ela sabe o quê?
Mas desde quando é que eu me preocupo com o que ela sabe, ou desde quando é que ela sabe alguma coisa sobre algo?

Se o senhor sabe ,folgo em sabê-lo. Se sabe o que eu sei, duvido. E duvido muito mais que ela saiba que eu sei. Porque saber é coisa que lhe falta... Desde a infância


De Joao a 22 de Julho de 2007 às 19:37
Agradeço o desejo de boas férias e devolve-lhe o mesmo.
Será que nesta e em outras historias o\a culpado será o mero administrativo, aquele que faz o que os superiores lhe ordenam?
Em relação ás festas concordo com o meu amigo.




De fernando boavida cabral a 22 de Julho de 2007 às 22:47
Com dívidas de mais de muitos milhões de euros, incontáveis habitações devolutas, metade do património a ruir,por todo o Concelho, a avenida marginal da cidade de Silves no ponto em que está, equipamentos culturais a sobreviver à tona ou à espera de reinaugurações para daqui a dois anos, ruas que foram lavadas pela última vez há vinte anos, outras que são calcetadas e descalcetadas no mês a seguir, água a faltar nas canalizações de todo o Concelho vários dias por semana, Centros Históricos, dia a dia, mais degradados e um a vida cultural que aproxima Silves de Calcutá, a Presidente da Câmara promete , novamente, este ano, uma FEIRA MEDIEVAL, desta vez, com arena e cavalos - em pleno parque de estacionamento da cidade, junto ao Jardim Al-Mu'tamid. Para tal mandou a mestre cerimónias reunir com os Comerciantes da Baixa citadina, esquecendo-se que também os demsis cidadãos que nesse parque estacionam os seus carros e não são comerciantes, também são gente, munícipes e alguns com profissões de risco ... - Mas elas sabem. O pagode adora circo.


De A. Antunes a 23 de Julho de 2007 às 09:33
Regressado de férias, que tive a possibilidade de fazer na outra Europa, a depressão continua a tomar conta do meu ser quando me aproximo da cidade que me viu nascer...
O mundo muda ... Mas Silves impávida e serena continua medieval (no pior sentido do termo).. Para que servirá a Feira Medieval se o quotidiano desta terra não é senão isso mesmo ... A Feira é só para a Rainha desfilar para que o povo não esqueça que quem aqui manda é ela. E os subditos humildemente agradecem ao Senhor ....
Não consigo explicar isto ... Esta terra devia ser objecto de uma forte investigação socio-antropológica porque o senso comum não chega para explicar...
Bem , em último caso a Maldição do Bispo serve.
Não sei se o Sr. se está a aperceber naquilo que se vai meter. Gabo-lhe a coragem porque em tempo de vacas gordas muitos são os candidatos mas em tempos de vacas magras só os HOMENS ...


De Observador a 23 de Julho de 2007 às 19:02
Silves consegue ser notícia , sempre pelas piores razões.

Agora é o "Auto de Notícia" levantado pela GNR, originado pela inexistência do "Livro de Reclamações" ,que a Lei exige, (vide Correio da Manhã de hoje).

Que vergonha!.! !

Até quando esta tendência para a ilegalidade, por parte da Autarquia, como se as Leis deste país fossem só para os outros cumprirem?






De Anónimo a 23 de Julho de 2007 às 19:25
Cara Lena Lamy

Uso este meio, porque penso que certamente te mostrarão que és assunto do dia, pelas piores razões. Também sou funcionário público e julgo que pessoas com atitudes como a tua deviam ser expulsas da função pública para não terem a oportunidade de ter actuações que dão de nós a imagem do que não somos.
A atitude que tiveste, foi de um inqualificável desrespeito pelos outros, que é, aliás, a atitude que adoptaste de uns tempos a esta parte. Custava-te muito, ter levantado o rabo da cadeira e entregue o processo a quem precisava de o consultar. Também te custava, ter pedido a uma Élia ou a uma Zulmira qualquer para levar o processo do teu armário e o facultar a quem dele precisava. Não, para quê facilitar a vida aos outros, claro, estavas muito ocupada... mas se aparecesse ou telefonasse alguém com um assunto fútil, lá estavas tu uma hora a dar a lingua, que é uma coisa de que tanto gostas. Já alguma vez pensaste que nós funcionários públicos, existimos para "servir os munícipes", certamente que isso não foi uma das coisas que o chefe Matias te ensinou, sim porque não sei se te tens visto ao espelho, mas estás um clone do teu chefe, que pena...
Quanto à inexistência do livro de reclamações, nem comento..., pena que tudo ficará como dantes. Isto começa a parecer-se com a região autónoma da Madeira, já repararam nas semelhanças da Belinha e do Alberto João?


De Observador a 23 de Julho de 2007 às 19:47
Caro anónimo,
Os meus parabéns pelo opotuníssimo comentário.
Tudo o que disse é mais do que verdade.
Quanto ò "CLONAGEM" não há palavras.


De anonimo a 23 de Julho de 2007 às 20:25
Caro Anónimo

O Srº sendo funcionário publico consequentemente colega é que devia ser expulso.
1- Vir para a praça pública relatar situações internas, quando devia seguir a hierarquia comunicar aos superiores as atitudes de qualquer funcionário. (chefes, Presidente e Câmara). E resolver os assuntos de casa em casa. Todos os funcionários públicos estão mal vistos aos olhos da população e você ajuda a enterrar ainda mais.
2- Os funcionários devem servir os munícipes mas há a Lei. Essa deve ser cumprida se as pessoas estão desagradas com a lei faça o que disse um colega seu “ reclame na Assembleia da Republica, aos Srº deputados”
3- Devem “servir o público “ mas não ser escravo do público.
Como cidadão e português exijo cumprimento da Lei e para todos, exijo ser tratado de igual forma e não ser descriminado por ser de partido diferente, exijo privacidade nos assuntos a serem tratados na administração pública.

Como o Srº não respeita isso então devia ser expulso.


De Anónimo a 23 de Julho de 2007 às 20:04
Exº Senhores

Ao ler e analisar este post em concreto a reclamação fiquei indignado.
Telefonei a um velho amigo de uma Câmara Municipal algarvia para me informar como se devia proceder neste caso. Depois de uma resposta bem fundamentada ( a velhice ainda nos ensina mais que os novos arq) ainda fiquei mais desiludido com os técnicos que vão aparecendo.

E a primeira coisa que me veio ao pensamento, foi ao estado que chegou a formação técnica, cívica e porque não politica dos portugueses.

Como é possível um arquitecto e mestre, ter aquela atitude?
E um politico que quer chegar a presidente da CMS fazer comentários sem antes se informar? E para pior, ter atitudes de discriminatórias.

Vejamos:
Reclama o Srº Arq do barramento e do tempo para ter uma reunião com a Arqª Helena Lamy, pois queria uma informação para o mesmo dia. Faz ainda menção que queria consultar o processo para potencial viabilidade.

Dizia um jovem cá do Burgo se fosse fazer reclamação cada vez que se espera anos para uma simples operação as cataratas, quando se morre à espera de assistência do INEM, quando se leva semanas para uma consulta do médico de família e meses para uma especialidade. Então a INCM estava riquíssima a fazer livros de reclamação ou então não fazia mais nada.

Queria o então o Sr º Arqº ser atendi logo no mesmo dia quando há pessoas a espera para uma reunião possivelmente à meses? Então o Srº Arq e mestre não sabia que a Lei das Obras, e que devia saber, obriga as Câmaras a indicar um dia para atendimento e que esse dia deve estar afixado em local visível?
Eu por acaso sei que é em dia de Quinta feira, pois quando me atraso no pagamento da água vejo o aviso colado no vidro na sala de espera no ultimo piso na CMS.

E o Srº por ser Mestre que direito lhe assiste para ver, possível mente um processo antes de o titular ter conhecimento do desfecho do mesmo? Pois ele estava com a Arq para análise” constatou que o processo se encontrava com a Arq. Helena Lamy”
Tomei conhecimento que os processos são semi públicos e que os mesmos devem ser anunciados numa placa de aviso quando se encontra em fase de aprovação. Se o caso for esse deve a pessoa que o consultou deixar lá o seu requerimento a pedir a consulta.

Quero aqui também alertar que a funcionaria agiu mal, ao fornecer o processo de uma pessoa a outra sem antes ter autorização do proprietário.

Afinal não houve barramento, ouve aqui uma atitude cumprimento de regras pela Arqª Lamy e de oportunismo para ser atendido devido a sua categoria profissional (arquitecto mestre).
Em relação a GNR devia os Srº Agentes ter mais formação profissional nestes casos. Entendo que não o tenham essa formação. É o governo que temos, socialista!!!
Então não sabem que há uma hierarquia mesmo nas Câmaras? Quem esta acima do Comando Geral da GNR, é o Srº Ministro. Então nas Câmaras deve ser também ser o ministro. Agora comunicar a ASAE. E eu a pensar que isso é para a segurança alimentar e económica. Vivendo e aprendendo…
“Identificaram os funcionários…” Então quando os Srº Agentes vão autuar o proprietário de um restaurante por não ter livro de reclamações pedem a identificação a quem, ao dono do estabelecimento ou aos empregados? Penso que aqui devia era pedir a identificação da Srª Presidente.
Em relação ao Srº Carneiro Jacinto, pois afinal os seus comentários dizem mais do que o Srº nos quer transmitir.

Então por ser “…técnicos de elevada carreira…” merecem tratamento diferenciado em relação aqueles que não tem estudos, por isso digo o Srº tem atitudes discriminatórias.
O Governo ainda não alterou o artigo 13º da Constituição Portuguesa, mas e uma questão de tempo…

Obrigado


De Joao a 23 de Julho de 2007 às 22:48
Subscrevo este ultimo comentário.
Então o Manel e o Antonio esperam 2\3 meses por uma reunião sobre viabilidade e este Mestre esperava 2\3 minutos.
Não brinquem com o povo.
O que está mal é esperar tantos dias por uma reunião, mas isso é um problema de organização da D.G.U..
Sobre os funcionários publicos é ridiculo por todos no mesmo saco.
Em todo o lado há bons e maus funcionários.
Em todo o lado os novos funcionários vêem cheios de ideias inovadoras, de energia, por vezes dinamicos, polivalentes, educados e com vontade de mudar as coisas . . . quem não gosta desta nova situação são alguns dos antigos, aqueles que estão habituados a uma determinada rotina burocrática que lhes convém . . . e alguns "chefes" tãobém não gostam da rapaziada nova . . . porque . . . . . ? ? ? - maldito sistema . . . das . . . amizades.
Será mais um caso para dizer ALELUIA


De Anónimo a 24 de Julho de 2007 às 14:39
O autor do email não queria reunir com a Arqª Helena Lamy, queria consultar um processo, por isso este comentário e o anterior erram redondamente ao afastarem-se da questão fundamental. O que está em causa é que alguém disse que o processo poderia ser consultado, e isso só deixou de ser verdade porque a Arqª H.L. prepotentemente o impediu. Do mail só se constata que o autor do email queria consultar o processo. Se a Arqª H.L. não lho podia disponibilizar no momento, por qualquer razão incluindo a sua manifesta falta de vontade em ajudar as pessoas a resolver problemas (que obviamente ela considera não ser uma das suas atribuições) deveria, quando muito, ter informado o Sr. de que devia requerer a consulta do processo à Sra. Presidente da Câmara por escrito. Que presunção é essa que a faz supor que o autor do mail queria ter uma reunião com ela e que razão poderá haver para que a consulta do processo tenha de ser feita numa reunião? Nenhuma para além da arrogância da interveniente...


De anonimo a 24 de Julho de 2007 às 18:50
Peço desculpa de ter interpretado mal as palavras do Srº Arqº Mestre, quando diz “…Arquitecta não me atendia…” deduzi que era para atendimento.
Possivelmente queria dizer a arquitecta não me cedeu o processo para consulta.
Eu não sou nem mestre nem doutor muito menos engenheiro, tenho apenas a antiga 4 classe antiga. Mas ainda consigo interpretar o que as pessoas escrevem.
Concorde quando diz que devia fazer o pedido por escrito. Possivelmente o Srº quando necessita algo dos serviços públicos pede por escrito cumprindo assim o que manda as regras. E nunca usando os seus conhecimentos pessoais ou profissionais para atingir os seus objectivos
Cumprimentos


De Anónimo a 24 de Julho de 2007 às 00:10
Questões que me parecem pertinentes:

1 - A Câmara é ou não obrigada a ter Livro de Reclamações?
2 - Qualquer cidadão, no pleno uso das suas faculdades, pode ou não solicitar o referido Livro para expor o seu ponto de vista sobre determinado assunto?
3 - Se o Livro não existe, será lícito tentar enganar o Cidadão, fazendo-o andar de um lado para o outro à procura do que se sabe não existir?
4 - Se o Cidadão se sente ludibriado não tem o direito de pedir auxílio à Autoridade?
5 - Se a Autoridade intervém e recebe o mesmo tratamento que o Cidadão vinha recebendo deverá ficar indiferente?
6 - Se a Autotidade tem poderes para levantar autos em todo o lado, no caso de falta de Livro de Reclamações, porque o não deveria fazer na Câmara?
7 - Não seria uma prova de boa educação e delicadeza a Senhora Arquitecta Helena Lamy ter dado uma palavra ao seu colega, nem que fosse para dizer que, face às regras existentes, ou outros motivos, não podia satisfazer o seu pedido?
8 - O comportamento da Senhora terá sido o mais adequado?
9 - Será que o Governo pode ou poderá vir a alterar a Constituição da República Portuguesa como o Senhor anónimo sugere?


De Anónimo a 24 de Julho de 2007 às 02:34
Caro anónimo é com todo o gosto que respondo
Não sou letrado nem tenho conhecimentos importantes e por isso não posso ser recebido e tratado por pessoas importantes e por certos políticos ao contrario de muita boa gente por conhecimentos, por amizades e simpatias tem um tratamento diferenciado do meu.
Respondendo as sua perguntas:
1 Os organismos públicos tem de ter livro de reclamações.
2 Todos os cidadãos tem direito a reclamar quando os seu direitos foram lhe negados.
3- Se o livro não existe, quem é o responsável máximo para providenciar ?
4- Deve sempre pedir auxilio a autoridade quando os seu direitos continuam a ser negados
5- O Srº acredita que os funcionários perante a autoridade fizeram de propósito os agentes andarem de um lado para o outro?
6- O Srº já pensou se todas as vezes que uma pessoa quer falar com um arquitecto ou engenheiro ele se levantasse e fosse dar uma palavrinha. O que é que ele fazia durante o dia? Faça como eu, antes de fazer comentários vá aos serviços públicos e analise com isenção, se conseguir o trabalho e as condições de trabalho dos funcionários públicos.
Veja se consegue analisar documentos e processos com pessoas a conversar, outras a telefonar, outras a serem atendidas no mesmo espaço. Vá as finanças, às conservatórias e até mesmo a Câmara ( veja nas águas ) onde os funcionários que o estão a atender são culpados de os munícipes terem contas elevadas, de não pagarem as facturas, e ate são culpados pelos aumentos das taxas que foram aprovadas pelos Vereadores. Já agora também podia ser culpados pelas ervas daninhas crescerem na via pública.
7- Claro que foi adequado mandou a funcionaria informar o Srº a ir marcar uma reunião como manda a Lei das Obras. Que possivelmente ela iria atender o Srº quando fosse a vez dele., mesmo 2 ou 3 meses depois.
O Srº quando vai ao médico para uma consulta ele não o manda marcar ?
E o Srº quando volta quase moribundo, por acaso reclama? Acha que a atitude do Médico é a correcta?
Qual é mais importante a sua saúde ou o interesse do cliente para verificar se possivelmente podia comprar o terreno e ganhar umas boas massas?
8- Não se preocupe que a constituição vai ser alterada. Não se esqueça que os ciclos se repetem. E quando as gerações mais novas não são informadas dos indícios que levaram a uma ditadura, então ela vem de mansinho. O Salazar impôs uma ditadura porque as pessoas eram analfabetas possivelmente a próxima é por as pessoas serem ingénuas.
Penso que respondi as suas perguntas
obrigado


De r9a2ezt a 24 de Julho de 2007 às 09:37
Estimado anónimo,
Pelas respostas dadas, depreendo que o seu estatuto intelectual deva ser semelhante ou ligeiramente superior ao meu, mas isso também não é assim tão importante.
No que toca a influências, posso afirmar-lhe que as que tenho são negativas, face ao “status quo”.
Quanto às observações que me recomenda, podia responder-lhe com factos e dados reais, mas não o posso fazer. Porque será??????
A experiência vivida permitia-me fazer inúmeras considerações e dar exemplos concretos..
Ao longo da vida nunca tive por hábito colocar-me do lado dos prevaricadores ou ajudar a branquear situações menos claras ou dignas de reparo,
Quanto aos argumentos que utiliza apetece-me citar o seguinte pensamento de Bertrand Russell:


"Com um pouco de agilidade mental e algumas leituras em segunda mão, qualquer homem encontra as provas daquilo em que deseja acreditar...

(Bertrand Russell)"

Finalmente, quanto à pretensa ditadura, devo dizer-lhe que estaremos do mesmo lado da barricada, pois, ela parece que já aí está e alguém a apelidou de “Ditadura da Democracia”.
Muita coisa mais poderia ser dita, mas não se pode dizer tudo.
Porque será????.
Como não sei jogar PING-PONG dou o assunto por encerrado.
Cumprimentos.


De António Carneiro Jacinto a 24 de Julho de 2007 às 14:36
Meus caros
Alto e pára o baile...Todos ralham e todos ...têm razão.A publicação da carta de um arquitecto visou, apenas e só, chamar a atenção para a ausência de livro de reclamações. A verdade é que foram logo a correr comprá-lo. O resto é assim: a lei tem de ser cumprida? Tem.Foram os funcionários que se portaram mal? Não.O facto de uma pessoa ser mestre ou ter outro titulo qualquer confere-lhe direitos diferentes do cidadão comum?Não.
Reparo que de tudo o que escrevi este foi o tema mais comentado.Vale Fuzeiros?Zero.Situação financeira da Câmara.Dois comentários.A minha candidatura?Zero.
Recebi ,entretanto um recado dos meus amigos ,dizendo-me que não posso, nem devo falar dos
bailaricos e das festas e da apetência de Isabel
Soares para este tipo de acção, "porque as pessoas não gostam".Boa. Tenho de me portar bem...


De Anónimo a 24 de Julho de 2007 às 16:47
Caro Carneiro Jacinto: Não percebo como é que acha que os funcionários não se portaram mal, ou pelo menos uma que, para a simples consulta de um processo, encaminha o interessado para uma reunião que só se pode realizar daí por uns 2 meses!... Os processos de obras devem ser públicos, ou estarei enganado? Compreendo que, na sua posição, seja delicado assumir uma posição mais contundente nesta situação, mas espero que não caia na solução fácil em que outros caíram de querer estar bem com todos. Quem assumir a liderança da Câmara tem de estar na disposição de confrontar certos funcionários, ou fica tudo na mesma, excepto as moscas...


De António Carneiro Jacinto a 24 de Julho de 2007 às 17:01
Acredite que a última coisa que eu pretendo é agradar a todos.Nem pense.Mas quem foi o responsável por não ter sido dada a informação ao arquitecto?


De Anónimo a 24 de Julho de 2007 às 17:25
A arqª Lamy? Se ela tinha o processo em seu poder, não custava nada entregá-lo a um(a) funcionário(a) administrativo que o disponibilizasse à pessoa interessada na sua consulta. Nada mais simples. O interessado ficaria satisfeito, a arquitecta teria o processo de volta pouco depois, e tinha-se poupado uma quantidade de dissabores desnecessários a muita gente. Mas o espírito evidentemente não é esse.


De alguem a 3 de Agosto de 2007 às 18:27
o póprio Arqitecto..............ora, ora! Fazia o pedido por escrito e esperava resposta, que no máximo, tem que ser dada em 15 dias.


De Anónimo Mais Um a 26 de Julho de 2007 às 23:41
Agora o Sr. Carneiro Jacinto virou pau mandado? Então não pode falar? Mas acha que o deve fazer? Afinal o Sr é igual, ligeira ,ou diferente da Drª Isabel Soares. Pelo menos sobre si ainda não a ouvi falar. Nem da sua falta de geito para os baialaricos, com o pezinho aleijado.
E como o Sr diz que é bom ouvinte, porque os seus amigos não o deixam falar dos bailaricos da Drª Isabel Soares, porque não lhes pergunta quando é que eles aprendem a ser democratas e a deixá-lo falar? E já agora uma pergunta muito, mas mesmo muito inocente - Então se o Sr chegar a Presidente também são os seus amigos que lhe vão dizer quando e o que deve dizer? Mau vai o barco, Sr Candidato. Mal vai o barco ainda antes de chegar`ao porto de abrigo

ps - o Senhor gosta de responder a provocações ou é só mau feitio?


De António Carneiro Jacinto a 27 de Julho de 2007 às 22:55
Meu caro
Normalmente não respondo a provocações- a menos que ponham em causa a minha honorabilidade-e não tenho nada mau feitio-a minha mulher e a minha filha até me " acusam" de ser bom de mais.Sobre os bailaricos quero dizer-lhe que adoro dançar...as minhas músicas preferidas.Os meus amigos não mandam em mim, nem eu neles, Foi só uma provocação que lhes lancei...Sou um cidadão livre, num país livre, que pensa pela sua cabeça.Os meus amigos também.Não se preocupe que eu sei muito bem o que querto e como devo exercer a minha função.


De alguem a 3 de Agosto de 2007 às 18:32
Sr. CJ, responda-me com sinceridade, se for Presidente tem coragem de acabar com as festas e bailaricos como diz?


De António Carneiro Jacinto a 4 de Agosto de 2007 às 08:57
O problema não são os baiaricos e as festas que fazem parte da cultura popular. A questão está em saber onde são gastos os nossos impostos.Quem não tem dinheiro não tem vicios. Neste momento a Câmara não tem dinheiro para nada, repito para nada, excepto para festas e bailaricos.Não tenciono acabar com as festas populares, mas se não houver dinheiro para o indispensável, não haverá certamente festa.Não podemos resignar-nos à ideia de que " o povo gosta é de festa, então damos-lhe festa e ele fica calado e feliz".Há mais vida para além da festa e a prioridade é atacar os graves problemas com que o concelho se debate.


De alguem a 26 de Julho de 2007 às 18:50
subscrevo a parte do tratamento especial por ser formado...................................grande desiluzão sr. CJ!


De Joaquim Santos a 24 de Julho de 2007 às 19:08
Srº Carneiro Jacinto

Vale fuzeiros não é um caso para a maioria das pessoas, pois não passa ao pé das suas portas aquelas torres de ferro. Ainda não reparou que o interesse pela causa publica anda muito por baixo?
A sua candidatura! Nós já sabemos que é candidato. E fica bem os seus sentimentos de agradecimento aos seus apoiantes. Que há mais de relevante?
Situação financeira da Câmara! Não é novidade, nos já sabíamos que a autarquia estava de rastos. Só é pena não estarmos em primeiro lugar. Nunca somos primeiros em nada.
Festas!! Se tiram tudo, liberdade de expressão, de pertencer a outro partido que não o PSD, de ter condições de vida tais como boas ruas e estradas, não queria que nós aproveitássemos. Sou velho mas não sou tolo e possivelmente até vou a concentração dos avós se houver transporte.

Com os melhores cumprimentos
Joaquim Santos


De Anónimo a 24 de Julho de 2007 às 21:16
Exmos. Senhores …MAIS anónimos quanto eu.

Tal como a maioria dos leitores deste blogue li este post e muito em especial no que concerne à reclamação.
Como é óbvio tenho lido também os comentários que vem originando e, com a vossa permissão, já que o assunto se trata de arquitecturas, ou seja, de arte, gostaria de deixar aqui a minha modesta pincelada.
Antes do mais queria dizer ao Caro Anónimo de 23 de Julho das 20.04, que teria evitado a maçada do telefonema ao velho amigo de uma Câmara Algarvia para se informar como se deve proceder. Então não sabia que a SUA presidente foi a caminho de Viseu (é certo que só passados dez anos), acompanhada de um grande séquito de técnicos, para saber como se gere uma Câmara? Pois bastava-lhe ter perguntado que certamente ficava bem esclarecido.
Fala o Caro anónimo de Lei das Obras, Cumprimento de Regras, Categoria Profissional, Formação Técnica e Cívica, Hierarquia na Câmara, etc., etc.. Onde tem andado meu Caro? . Está a falar da Câmara de Silves? .Está a tentar branquear o quê e quem?.
Fala da falta de Formação Profissional dos Agentes da GNR e diz que a culpa é do governo socialista que temos. Também quer branquear a fraude com os dinheiros do FSE por parte da UGT e dos seus membros do PSD? E esta e outras fraudes com os dinheiros vindos da CEE para formação profissional não aconteceram praticamente todas no tempo dos governos PSD de Cavaco Silva?.
Fala como se não houvesse tratamento diferenciado dentro da Câmara Municipal de Silves.
Está a tentar branquear o tratamento “ultra especialíssimo” que é dado ao senhor Antero da Urbanipera e outros?
Está a tentar branquear o tratamento “super-ultra especialíssimo “ que é dado à firma do senhor José Luís Lima e da filha?
Está a tentar branquear a aprovação “ULTRA-RAPIDÍSSIMA” do projecto da obra que vai ser construída no terreno (ex-espingardaria) que Isabel Soares vendeu por cerca de 650 mil euros e a duvidosa cedência de terrenos públicos ao privado com quem fez o negócio?.
Está a tentar branquear como, com quem e porquê existem esses e muitos tratamentos especiais dentro da Câmara de Silves?
A ligeireza como invoca a Constituição Portuguesa é para tentar branquear a ligeireza como o executivo de Isabel Soares tem violado muitas das leis dessa própria constituição?.
Gostava de saber o que a senhora Dina Baiona fez ao famoso Livro Amarelo de Reclamações que foi pedido no dia 17 e que não apareceu. Estão com medo de quê? Querem esconder de quem o que está escrito (se não o rasgaram ou substituíram as folhas, ou alteraram o seu conteúdo).
A compra à pressa de um livro novo não vai conseguir branquear o desaparecimento ou não aparecimento do anterior, QUE EXISTE.
Sobre os funcionários, os trabalhadores, os outros iguais e outros mais iguais que muitos, não me vou pronunciar, por agora, tudo tem o seu tempo.
Escreveram também aqui sobre ditaduras e ditadores, mas ninguém disse porque esses ditadores continuam a existir. Também terá o seu tempo.




De anonimo das 20.04 a 25 de Julho de 2007 às 02:39
Caro Anónimo,

Quero informar que não quero branquear nada, como reparou comentei e dei a minha opinião sobre a atitude do Srº Arq, no post.

Não sei o tratamento que é dado a alguns cidadãos deste concelho nem as viagens feitas pela Srº Presidente e sinceramente, nem quero saber.

Eu apenas gostava que as regras que se aplica ao Zé também se aplica ao António. Gosto de ser sonhador.

Se a gestão da Câmara esta mal, então deve dizer isso aos cidadãos que votaram na Drº Isabel Soares. Se alguém esta arrependido, pois quando houver eleições deve fazer uma escolha mais atenta e ponderada.

A cerca da ditadura, aconselho a ler de espírito aberto o despacho da Srª Ministra da Educação no caso Charrua.

cumprimentos


De Anónimo Mais Um a 26 de Julho de 2007 às 23:49
Mas nós estamos a falar da Câmara Municipal de Silves e do funcionamento da mesma ,ou estamos a falar do Governo? Não acha o Sr Anónimo que é presunção a mais para a Presidente da Câmara Municipal de Silves, compará-la ao Primeiro Ministro e a Arquitecta Helena Lamy à Ministra da Educação?
O Senhor nunca ouviu falar do "Princípio de Peter"? Pois devia, meu caro. Pois devia!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

NOVO BLOGUE

COMPROMISSO DE HONRA

SOBRE AS FEIRAS MEDIEVAIS...

MAIS UMA HISTÓRIA INTERMI...

TRÊS REFLEXÕES EM TEMPO D...

SÃO MARCOS DA SERRA - UM ...

UMA ENORME TRISTEZA ...II

UMA ENORME TRISTEZA ...

DE COMO SE "PERDEM" MILHÕ...

O QUE É PRECISO PARA GANH...

arquivos

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

links
VISITANTES
Relógio
Fazer olhinhos
blogs SAPO