António Carneiro Jacinto
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007
SOBRE AS FEIRAS MEDIEVAIS E OUTRAS COISAS QUE TAIS ...

(Dedico este post à minha filha Adriana, ao meu genro Lorenzo - o mais português dos italianos que eu conheço - e ao meu neto Zaca, com quem passei os últimos doze dias muito feliz)

 

 

Acabou a Feira Medieval. Viva a Feira Medieval. Muito se escreveu e disse neste blogue sobre a Feira Medieval. Só eu é que ainda não me pronunciei. Por uma vez quero que fique clara a minha posição sobre esta matéria e aquilo que farei quando fôr Presidente de Câmara Municipal de Silves.

Sou a favor da Feira Medieval mas de uma verdadeira Feira Medieval, que seja simultaneamente um momento de exaltação do Concelho de Silves; uma semana de atracção turística e sobretudo algo que pelo seu rigor histórico cumpra uma função pedagógica junto dos habitantes do concelho e daqueles que o visitam. Dito de uma forma clara: repito, sou a favor de uma Feira Medieval que retrate a época, que enalteça o papel insubstituível que Silves teve na história, que seja uma verdadeira Feira Medieval.

Para que não restem dúvidas não vou fazer desta questão uma arma de arremesso político. Quero apenas que saibam que “a minha” Feira Medieval será muito diferente daquela que tenho visitado nos últimos três anos.

Dito isto, há mais vida para além da Feira Medieval. Quando vos convidava a divertirem-se, fazia-o com o conhecimento de que a Feira Medieval são 7 dias na vida do concelho, o resto é um deserto. Todas as pessoas têm direito a divertir-se e cabe aos responsáveis políticos criar condições para que as pessoas sejam mais felizes. Mas o problema são os restantes 358 dias do ano …

O Comércio ganhou com a Feira medieval? Os artesãos do concelho de Silves ganharam com a Feira Medieval? . Ora qualquer Feira que seja realizada com dinheiros públicos tem necessariamente que corresponder ao princípio da relação custo benefício. Oportunamente ficarão a conhecer o meu projecto de Feira Medieval e de muitas outras Feiras que considero indispensável vir a organizar-se.

A Feira assinalou ainda outro acontecimento: as obras na zona ribeirinha da cidade estão praticamente concluídas, graças ao esforço de muitos trabalhadores camarários e de alguns operários de empresas que ainda fornecem serviços à Câmara de Silves. Motivo para nos felicitarmos e ao mesmo tempo nos interrogarmos porque razão se esperou tanto tempo pela conclusão desta obra.

Já vos disse por mais do que uma vez e repito agora que não sou nem nunca serei defensor do princípio de quanto pior melhor, como às vezes é sugerido por algumas mentes perversas.

Mas infelizmente a vida nestes últimos tempos não foi de festa para muita gente. Por exemplo, para aqueles que estiveram sem água canalizada num concelho onde existem duas barragens construídas e outra a caminho. E é bom lembrarmos nesta altura o preço que estamos a pagar por esse bem precioso, Falar de falta de água, neste concelho, nesta época do ano, no século XXI …é quase “medieval”.

Para os mais desatentos a história é muito simples: aumentou-se a água há um ano porque passamos a ser servidos pelas Águas do Algarve; um ano depois é que essa água chega a todos os pontos do concelho; quando chegou houve 22 zonas em todo o concelho que deixaram de receber água, e voltamos a ser servidos pelo sistema anterior.

Dito isto: O Povo tem direito a Festa? Tem. O Povo tem direito a mais do que uma festa por ano? Tem. O Povo tem direito a uma verdadeira Feira Medieval? Tem.

Mas O Povo também tem direito a serviços de qualidade sejam eles de fornecimento de água ou outros. É para isso que existe uma Câmara e um executivo municipais. É isso que me preocupa, é para isso que trabalho dia a dia, é esse o meu dever e o meu compromisso com os habitantes do concelho de Silves.

 

PS. Há quem perca ainda algum tempo preocupado com o que faço e por onde ando. Para esses fica aqui o registo de que sou morador na Rua Cândido dos Reis 75, em frente ao inaugurado Teatro Gregório Mascarenhas …  

  



publicado por António Carneiro Jacinto às 00:46
link do post | comentar | ver comentários (105) | favorito

Quarta-feira, 8 de Agosto de 2007
MAIS UMA HISTÓRIA INTERMINÁVEL

O velho e noutros tempos prestigiado jornal “Primeiro de Janeiro”, com sede no Porto – hoje em dia reduzido a vendas que não atingem os 3 mil exemplares – veio ganhar uns tostões ao Algarve, com a publicidade paga para a feitura de um suplemento dedicado à Região, que acabou por se reduzir a “Silves capital histórica do Algarve”.

Ocasião aproveitada por Isabel Soares para nos contar mais algumas “histórias intermináveis” sobre o seu mandato. Vale, portanto, a pena respigar algumas das mais interessantes”:

1.     “ A Feira do Folar, o conhecido Festival da Caldeirada e o famoso Festival dos Frutos Secos animam constantemente Silves e combatem a sazonalidade, atraindo um número incalculável de turistas”;

2.     “ Na famosa Feira Medieval toda a gente é transportada para o momento, para viver e sentir a época (…) e muito importante, todas as associações participantes auto-financiam-se com a Feira Medieval”;

3.     “Exposições, concertos, feiras e passeios com sabor a história alimentam o dia a dia de uma cidade alegre e culturalmente rica”;

4.     “Nas margens do Rio Arade, a prática de actividades como o remo e a canoagem são atractivos notórios de uma região que tem muito para dar”;

5.     “Na famosa Fábrica do Inglês deparam com um espaço convidativo, recheado de espectáculos de animação e entretenimento durante todo o ano”;

6.     “Muitas apostas, para as quais lutei a pulso e com preserverança, estão ganhas. (…) O Instituto Piaget é uma bandeira erguida pois a cidade precisa de atractividades que uma escola superior concede (…) queremos aumentar os cursos leccionados no Instituto. Investir num dos pontos fortes de Silves”;

7.     “Temos uma série de projectos em vista: um deles já está em curso e consiste na construção, por parte do reconhecido Grupo Oceânico, de dois campos de golfe e cerca de 1200 camas turísticas”.

 

O publicitário que escreve a entrevista não contem o entusiasmo e escreve a finalizar: “procurando sempre alcançar o auge em todos os projectos em que se envolve, Isabel Soares pretende ainda debruçar-se na plataforma logística em Tunes e no desenvolvimento de um centro de novas tecnologias (esta tem direitos de autor, como sabem os mais atentos ), benefícios para a cidade de Silves e para a sua população”.

 

Deixo os comentários, que só podem ser divertidos, para vocês, desta recente “história interminável” de Isabel Soares. Divirtam-se.



publicado por António Carneiro Jacinto às 00:08
link do post | comentar | ver comentários (67) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

NOVO BLOGUE

COMPROMISSO DE HONRA

SOBRE AS FEIRAS MEDIEVAIS...

MAIS UMA HISTÓRIA INTERMI...

TRÊS REFLEXÕES EM TEMPO D...

SÃO MARCOS DA SERRA - UM ...

UMA ENORME TRISTEZA ...II

UMA ENORME TRISTEZA ...

DE COMO SE "PERDEM" MILHÕ...

O QUE É PRECISO PARA GANH...

arquivos

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO